26 de abr de 2008

Pai e madrasta não irão à reconstituição da morte de Isabella

ISABELLA

Alexandre Nardoni, 29, e Anna Carolina Jatobá, 24, apontados pela polícia como os principais suspeitos da morte da menina Isabella, 5, não vão comparecer à simulação do crime marcada para amanhã.

A decisão foi informada ontem pelo advogado Antonio Nardoni, pai de Alexandre e avô de Isabella. "Eles não vão. É uma decisão técnica. Os advogados acharam melhor eles não irem. Então, eles não vão comparecer, não. Já foi protocolada uma petição na delegacia comunicando", afirmou.

O avô de Isabella nega ser uma mudança de estratégia da defesa. Ele diz não ver prejuízo à imagem do casal em razão disso. Até agora os advogados argumentam que uma das provas da inocência dos dois é o fato de sempre colaborarem com o trabalho da polícia.

"Eles não têm criado nenhuma dificuldade para que a polícia faça as investigações. Só acho que eles não deveriam ir a um local onde eles não concordam com o que a polícia entende que seria correto e eles têm a versão deles. É uma opção que a lei dá. Como pai, acho que eles não devem ir", afirmou.

Para a polícia, o fato de os dois não irem ao local não alterará em nada o trabalho.

O principal objetivo da simulação é comprovar a suposta inconsistência dos depoimentos do casal em relação aos horários. A polícia suspeita que os dois estavam no apartamento quando a menina foi jogada.

Por isso, o cronômetro será o instrumento mais valioso nessa simulação, que também contará com máquinas fotográficas, filmadoras, aparelho de medição de som, computadores portáteis, lâmpadas especiais e bonecos. Além de desenhista, fotógrafo, peritos e um médico legista.

Policiais com portes físicos compatíveis com os do pai e da madrasta de Isabella devem simular os atos atribuídos ao casal. A simulação deve durar aproximadamente dez horas.

Para o advogado Alberto Zacharias Toron, Alexandre e Anna Carolina podem não comparecer à simulação sem nenhum tipo de conseqüência legal, já que a participação dos suspeitos é facultativa. "Eles exercem um direito deles", afirmou.

Toron explica ainda que ao não comparecer à simulação, os advogados dos Nardoni também ganham uma forma de contestar judicialmente o seu resultado. E agiram corretamente, ainda segundo ele, ao comunicarem oficialmente à polícia essa decisão.

Antonio Nardoni informou ainda que tanto ele quanto a sua filha Cristiane não vão comparecer à simulação porque não foram intimados pela polícia. 'Só se fizerem isso amanhã [hoje]', afirmou ele.

Contra-ataque

Os advogados do casal devem contratar peritos particulares para auxiliar na análise dos laudos periciais sobre a morte de Isabella.

Assim que tiveram acesso aos laudos, na terça-feira, eles se reuniram com Antonio Nardoni e decidiram pela contratação dos peritos particulares.

Os advogados também já contam com os serviços de investigadores particulares (alguns deles ex-policiais), que também analisam o inquérito à procura de brechas que possam ajudar Nardoni e Anna.

Mas é LÓGICO que eles não irão na reconstituição do crime, porque se eles forem vai estar mais do que "provado" de que foram eles que mataram a Isabella, porque se forem fazer teria que ser da maneira que realmente aconteceu o crime, aí patricamente estariam se entregando...então se eles não vão, não estarão "assumindo" nada, eles não são bobos né!

Pra eles o melhor é não ir mesmo, é claro que pra gente o melhor seria eles irem pra esclarecer tudo isso, mas infelizmente não é o que vai acontecer.

Fonte: Folha Online

Um comentário:

  1. Ele não vão criar provas contra si mesmo. E como não são obrigados a ir, melhor ficar em casa.

    Mas os peritos não são bobos e faram direitinho a reconstituição de como foi o crime.

    Conseguiu ver os comentários? Eles só aparecem se voce aprova-los no painel.

    ResponderExcluir

Oba! Que bom que esteve por aqui dando uma especulada no meu cantinho. Esteja à vontade e volte sempre.
Só não serão publicados comentários anônimos.
Beijos!

BlogBlogs.Com.Br